CRISE POLÍTICA - AXIOLOGIA, EMERGÊNCIAS SOCIAIS E ALTERAÇÃO DA AGENDA POLÍTICA NO BRASIL PÓS 2013

Gabriel Silva Rezende, Júlia Lima Santana

Resumo


Atualmente, a palavra “crise” tornou-se recorrente, transformando-se num signo presente em quase todos os tipos de narrativas, mobilizado como categoria definidora do contemporâneo. A crise é um acontecimento histórico, tanto quanto é uma condição de vida duradoura e fundamental para uma condição humana transcendente. Dessa forma, o objetivo do presente artigo (sendo sua concepção inicial um ensaio) é considerar como a “crise” é mobilizada em construções narrativas para marcar um “momento de verdade” ou como um meio de pensar a própria “história”, portanto, compreender como um dos principais marcos definidores do início da crise política brasileira, as Jornadas de Junho de 2013, foram resignificadas e instrumentalizadas para o processo de impeachment de Dilma Rousseff e a alocação de interesses políticos na promoção de reformas polêmicas, que afetarão de forma profunda as gerações vindouras. Modificando, assim, por completo o programa político vencedor das eleições de 2014.

Texto completo:

PDF


 

O periódico está cadastrado no Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras, no Portal de Periódicos da ANPOCS - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciências Sociais, no indexador internacional Journals For Free, no Livre e no Sumários.org.

       




CSOnline - Revista Eletrônica de Ciências Sociais da UFJF - ISSN 1981-2140 -